Michelle Ramalho agradece apoio de Rosilene e Nosman, mas crava: "A gestão vai ser minha"

Com os importantes apoios de Rosilene Gomes, dirigente que comandou a Federação Paraibana de Futebol (FPF) por 25 anos, e de Nosman Barreiro, último ex-vice-presidente da entidade, Michelle Ramalho, até então pouco conhecida pela maioria dos clubes paraibanos, conseguiu se eleger como nova mandatária da FPF. Ela agradeceu os apoios dos ilustres correligionários, assumiu na campanha que estava sendo apoiada pelos dirigentes, mas deixou claro, após o pleito deste sábado, que pretende gerir a casa do futebol paraibano de acordo com as suas próprias convicções.

- A gestão é minha. Rosilene me apoiou e Nosman também, mas a gestão vai ser feita por mim e com ajuda dos clubes - disparou.

A eleição mostrou uma divisão jamais vista nos últimos anos. Até porque, durante todo o período em que Rosilene esteve sentada à cadeira de presidenta da FPF, não houve disputa entre chapas nas eleições da entidade. Isso só voltou a acontecer em 2014, quando Amadeu Rodrigues - também apoiado por Rosilene Gomes - somou 37 votos, vencendo Coriolando Coutinho (29) e João Máximo (4) no pleito daquele ano.

Com o afastamento de Amadeu Rodrigues, mais uma vez o caminho ficou aberto para uma disputa eleitoral. E nas eleições de 2018 a votação acabou empatada entre Michelle Ramalho e Eduardo Araújo. Cada um teve 25 votos. Por causa da igualdade, m um novo pleito foi realizado e, horas depois, Michelle Ramalho acabou vencendo por 26 a 24. Uma eleição que, mais uma vez, se dividiu entre quem gosta de Rosilene e quem não gosta. E, de novo, a turma que tem carinho pela "doutôra" acabou como maioria.

- Eu acho que os clubes gostam de Rosilene. Em nenhum momento eu disse que ela não estava me apoiando. Todos que votaram em mim votaram sabendo da minha transparência e sabendo que Nosman e Rosilene estavam me apoiando. Eu ganhei por maioria - comentou.

- O processo foi muito democrático e eu agradeço aos clubes, à Comissão Eleitoral e a todos da imprensa. Eu sempre quis ir para o voto porque eu não tenho medo e sei da minha capacidade. E sei que os clubes querem inovação. Com certeza, acontecerão várias mudanças e vou estar aberta para os clubes implantarem novas mudanças. Com certeza terá muita transparência e justiça, que é o que estava faltando nesta federação - finalizou.

Após a eleição, os clubes, em nova Assembleia Geral, dessa vez extraordinária, que havia sido convocada anteriormente pelo interventor João Bosco Luz, definiram que a posse de Michelle seria imediata. Portanto, Michelle Ramalho já é a presidenta atual da FPF. Seu mandato vai até o fim de 2022.

GE