Vice da FPF nega articulação com torcida organizada e avisa que vai entrar com ação contra Amadeu

O vice-presidente da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Nosman Barreiro, deu a sua versão sobre o polêmico vídeo vazado nesta terça-feira nas redes sociais, em que supostamente estaria organizando um protesto contra o atual presidente da entidade, Amadeu Rodrigues. Nosman está convicto de que está sendo vítima de uma armação e que justamente o seu adversário político estaria por trás de tudo.

Em entrevista à TV Cabo Branco, Nosman garantiu que vai processar os autores do vídeo, assim como o presidente da FPF. E disse que o conteúdo vazado foi editado para que ele "ficasse como vilão da história".

- Você sabe que temos essa disputa dentro da Federação. Desde aquele episódio em que tomei posse na Federação (em junho deste ano; relembre o caso clicando aqui) é que há esse clima. E por que esse vídeo só foi divulgado agora? Simplesmente porque há dois dias denunciamos uma série de irregularidades, que inclusive geraram 15 ações na Justiça contra Amadeu Rodrigues. E ele está por trás dessa armação - acusou.

Vídeo foi gravado em maio

Nosman deu detalhes sobre a gravação do vídeo. De acordo com ele, foi feito três dias antes da partida entre Fortaleza x Botafogo-PB, pela Série C deste ano, no dia 19 de maio. De acordo com o vice-presidente da FPF, o vídeo teria sido gravado por um presidente de torcida organizada do Botafogo-PB.

- Ele foi até o meu escritório junto com o vice-presidente da torcida para me pedir uma ajuda para a viagem que iam fazer para Fortaleza. Disse que já tinham os ônibus, e que precisariam apenas do dinheiro para a cachaça. Eles me pediram R$ 150 e eu dei R$ 100. Na conversa, eles disseram que a Federação não ajudava em nada e que fariam uma faixa com os dizeres "Fora, Amadeu" - lembrou Nosman, sem admitir que tivesse qualquer participação no protesto.

O dirigente encontrou uma ligação com Amadeu. Segundo Nosman, o presidente da torcida organizada do Botafogo-PB é assessor da FPF e inclusive recebe uma remuneração mensal no valor de R$ 600. Por isso, acredita na armação.

- Para mim está claro o que aconteceu. Eles foram ao meu escritório com o intuito de fazer uma armação. Me pediram uma ajuda para viajar, algo que nunca neguei. Até porque sou vice-presidente da Federação. Eles conduziram a conversa de forma a me incriminar. Tanto que só divulgaram uma parte do vídeo. Vou protocolar uma ação na Justiça pedindo o vídeo na íntegra. Até porquei não falei nada, foi tudo dito por eles. Apenas concordei em ajudar na viagem - repetiu Nosman Barreiro.

Resumo GE