Cantor de forró quer assumir Atlético de Cajazeiras e revela acerto com Maia para comandar o Trovão

Diante da crise administrativa vivida pelo Atlético de Cajazeiras, sem presidente desde maio, quando Harley Lira renunciou ao cargo, o cantor de forró Eduardo Jorge se colocou à disposição do Conselho Deliberativo azulino para assumir o clube e evitar que a cidade fique sem representante no Campeonato Paraibano de 2019. O artista, inclusive, já iniciou conversa com o técnico Severino Maia para, caso venha a assumir o Trovão Azul, já seja agilizado o planejamento e a formação do elenco sob o comando do treinador.

Nesta sexta-feira, Eduardo mostrou preocupação com a situação do Atlético de Cajazeiras e disse que já manifestou a Arlan Rodrigues, presidente do Conselho Deliberativo, seu desejo de gerir o clube no certame estadual.

- Um clube como o Atlético de Cajazeiras não pode ficar fora do campeonato, ficar inativo e receber o rebaixamento como punição. Esse clube é grande e tem pessoas interessadas em assumir, apesar das dificuldades. Meu nome está colocado à disposição do Conselho - afirmou o cantor, que é filho do radialista Olivan Pereira.

A preocupação de Eduardo Jorge apareceu depois que o empresário Tiko Miudezas, ex-presidente do Paraíba e ex-dirigente do próprio Trovão Azul, declarou que não teria mais interesse de assumir o clube.

Tiko divulgou mensagens de áudio nas redes sociais na madrugada da quarta-feira, após as definições do Conselho Arbitral da Federação Paraibana de Futebol (FPF) sobre o formato do Paraibano 2019. Ele disse que foi convidado pelo vereador Neguinho de Mondrian, irmão de Harley Lira, e argumentou que a fórmula de disputa do campeonato não o agradou, uma vez que a fase classificatória prevê apenas cinco jogos para cada clube como mandante.

Diante da situação, o pensamento do cantor Eduardo Jorge, que revela já ter um planejamento financeiro para a formação do time, é simples: se ninguém quer assumir o Trovão, ele quer.

- O clube tem como previsão de receita o dinheiro do Programa Gol de Placa, alguns patrocínios oficiais e o apoio da Prefeitura de Cajazeiras, que não é mais segredo para ninguém: são R$ 40 mil, divididos em quatro parcelas mensais. Nosso pensamento é conseguir o adiantamento de recursos de alguma forma para iniciar o trabalho. Garanto que o Atlético de Cajazeiras teria salário em dia e um trabalho sério para fazer um Paraibano competitivo - argumentou.

Em relação ao técnico Severino Maia, ex-Auto Esporte, Jorge confirmou que teve uma conversa prévia com o profissional.

- Eu disse a situação do clube a ele e disse que queria contar com seu trabalho, caso venha a assumir a Presidência do Atlético de Cajazeiras. Ele sinalizou positivamente, mas avisou que se aparecer uma proposta mais completa, vai seguir sua carreira - pontuou.

Ainda segundo Eduardo Jorge, o presidente do Conselho, Arlan Rodrigues, avisou que uma reunião está marcada para este sábado, quando se pretende discutir os rumos do clube para 2019. A reportagem entrou em contato com Arlan, mas não conseguiu falar com o dirigente.

GE