Decisão do TJDF-PB de liberar zagueiro do SP Crystal vai de encontro a regulamento

A decisão que o Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol da Paraíba (TJDF-PB) tomou nessa quinta-feira, de conceder efeito suspensivo ao zagueiro Carlão, do São Paulo Crystal, pode acabar gerando mais um tumulto na 2ª divisão do Campeonato Paraibano. É que a liberação do jogador - expulso no jogo de ida contra o Nacional de Patos - vai de encontro ao que diz o regulamento da competição. Autorizado pelo TJDF-PB a escalar o zagueiro no próximo domingo, na partida de volta da semifinal estadual, o Tricolor de Cruz do Espírito Santo corre o risco de infringir o regulamento e, consequentemente, ser alvo de alguma ação movida pelo Canário de Sertão (ou outro clube que se sinta prejudicado).

Carlão foi expulso no jogo de ida, contra o Nacional de Patos, no José Cavalcanti, no último dia 10 de setembro. Com isso, ele teria que cumprir suspensão na partida de volta. Mas o São Paulo Crystal entrou no TJDF-PB com o pedido de efeito suspensivo, que foi concedido pela Primeira Comissão Disciplinar em julgamento nessa quinta-feira.

Acontece que o artigo 17 do regulamento da 2ª divisão do Paraibano diz que um jogador expulso deve cumprir a suspensão automática no jogo seguinte"independentemente de decisão da Justiça Desportiva no julgamento da infração disciplinar".

O assessor jurídico da FPF, Marcos Souto Maior, esclareceu que, uma vez que o TJDF-PB toma uma decisão, o posicionamento da FPF é cumpri-la.

- A FPF, enquanto entidade desportiva, tem apenas que cumprir a determinação da Justiça Desportiva, concordando ou não - cravou Marcos Souto Maior.

O assessor jurídico da FPF fez questão de esclarecer que, como não está em João Pessoa, ainda não teve acesso à decisão da Primeira Comissão Disciplinar do TJDF-PB. Mas ele admitiu que, caso o São Paulo Crystal se valha do efeito suspensivo e escale o zagueiro Carlão no próximo domingo, estará aberta uma brecha para que qualquer clube que se sentir prejudicado - principalmente o Nacional de Patos - entre com uma ação alegando descumprimento do regulamento da competição.

Ele ainda alertou que não cabe à FPF tomar qualquer posicionamento sobre o fato, mas apenas direcionar as possíveis notificações e denúncias das partes envolvidas.

- Se o jogador entrar em campo e o Nacional de Patos se sentir prejudicado, poderá ir ao STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) ou ao Pleno do TJD. Mas vale destacar que a FPF não tem poder de tomar qualquer decisão. Se algum clube se sentir prejudicado, a FPF apenas notifica as partes.

São Paulo Crystal e Nacional de Patos têm encontro marcado às 16h do próximo domingo, no Estádio Sílvio Porto, em Guarabira, em um jogo que vai definir o segundo finalista da 2ª divisão do Paraibano para enfrentar a Desportiva e, consequentemente, quem vai se juntar ao Azulão na elite de 2018.

Fonte: GE